Territórios de proteção ambiental na Amazônia: formação e uso do espaço em áreas de proteção, terras indígenas e áreas de entornos, no Estado do Acre, Brasil

  • Silvio Simione da Silva Universidade Federal do Acre - UFAC

Resumen

Este artigo demonstra as bases da formação espacial de áreas de proteção ambiental e entorno, no Estado do Acre, Brasil, perante suas possibilidades e sentidos de usos. Com isto, espera-se possibilitar uma compreensão diagnóstica da “biodiversidade e gestão ambiental”, sem, contudo, desprezar a riqueza da formação social regional. Desta forma, apresenta-se a organização de informações que possibilita identificar, caracterizar e analisar as áreas de proteção e seus entornos como territórios de proteção, sem negar seu histórico como espaços produzidos e, na atualidade, como áreas de possibilidades diversas de uso e exploração econômica. Assim, deixa-se claro que estas áreas de proteção se firmaram a partir das práticas das populações tradicionais, mas que na atualidade está exposta às lógicas de uma nova territorialização do capital. Para isto, estas áreas passam serem vistas e dispostas aos usos como grandes reservas para a exploração dos recursos naturais, sejam na extração de madeiras, látex, sementes ou mesmos, redirecionadas como territórios não produtivos, mas aptos a serem espaços postos a venda no mercado de serviços ambientais. Nisto, notam-se novas articulações do capital mundial no controle dos recursos regionais, sob a lógica da ecologização monetária dos recursos amazônicos.

Biografía del Autor

Silvio Simione da Silva, Universidade Federal do Acre - UFAC

Doutor em Geografia pela Universidade Estadual Paulista – FCT/UNESP
Professor Associado da Universidade Federal do Acre - UFAC, Brasil
Correo electronico : ssimione@gmail.com

Citas

Acre, Governo do Estado do (2000). Programa Estadual de Zoneamento Ecológico-Econômico do
Estado do Acre. Zoneamento Ecológico Econômico: Aspectos socioeconômicos e ocupação
territorial. Rio Branco: SECTMA, v.I, II e III.
___________ . Zoneamento Ecológico-Econômico do Estado do Acre – ZEE/AC, Fase II: documento
síntese (2010). 2.ed. Rio Branco: SEMA.
Acre. Secretaria de Estado de Meio Ambiente – SEMA (2012). Programa de Arborização Urbana do
Estado do Acre. Rio Branco: SEMA/PMRB.
Acre, Governo do Estado do. Secretaria de Estado de Planejamento – SEPLAN (2013). Acre em
números 2013. Rio Branco: SEPLAN/AC.
Ab’sáber, A. N. (2002). Bases para o estudo dos ecossistemas da Amazônia brasileira. Belém,
Estudos Avançados, n.16 (45). p.7-30.
Allegretti, M. (1994). Reservas Extrativistas: Parâmetros para uma política de desenvolvimento
sustentável na Amazônia. In: ANDERSON, Anthony et al. O destino da floresta: reservas
extrativistas e desenvolvimento sustentável na Amazônia. Rio de Janeiro: Relume-Dumará;
Curitiba: Instituto de Estudo Amazônicos e Ambientais, Fundação Konrad Adenauer, p. 17-
48.
Amaral, Eufram F (2010). Programa de Incentivos a Serviços Ambientais – Carbono (ISA Carbono).
Rio Branco: Governo do Estado Acre - Instituto de Mudança, Climáticas, 2010. In: http://
dialogosfederativos.files. wordpress.com/2012/07/descric3a7c3a3o-da-iniciativa35.pdf. Acessado
em 08/2015.
Arpa - Programa Áreas Protegidas da Amazônia (2012). Áreas Protegidas da Amazônia – Fase II.
http://www.funbio.org.br/o-que-fazemos/projetos/arpa-areas-protegidas-da-amazonia-fase-ii
- 17/04/2012. Acessado:05/2014.
Brasil, Ministério do Meio Ambiente (2000). Convenção Diversidade Biológica – Biodiversidade 2.
Brasília: Secretaria de Biodiversidade e Florestas do MMA - Programa Nacional de Conservação
da Biodiversidade.
____________ (2010). Resolução n° 428 – CONAMA. Brasília: Conselho Nacional do Meio Ambiente-
CONAMA, 17/dez./2010.
____________ (2012). Informe nacional sobre áreas protegidas no Brasil. Brasília: IBAMA/MMA - Secretaria
de Biodiversidade e Florestas, Departamento de Áreas Protegidas, 2012.
Brasil, Presidência da República (2002). SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação.
Lei 9985 de 18 de julho de 2000. Brasília, Congresso Nacional e Decreto Nº 4.340 22/08/02;
Presidência da República, 2002.
Brown, Irving Foster (2006). Ecossistemas emergentes! Blog Ambiente Acreano, Rio Branco, 2006.
(Acessado em 2014). Disponível em: http://ambienteacreano.blogspot.com.br/2006/01/ecossistemas-
emergentes.html
Calixto, Valdir de; Souza, Josué F. De; Souza, José Dourado de (1985). Acre: uma História em
construção. Rio Branco: FDRHCD.
Diegues, Antônio Carlos; Arruda, Rinaldo Sergio Vieira; Silva, Viviane Capezzuto Ferreira da;
FIGOLS, Francisca Aida Barboza; Andrade, Daniela (ORG) (2000). Os Saberes Tradicionais e
a Biodiversidade no Brasil. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e da
Amazônia Legal; São Paulo: COBIO-Coordenadoria da Biodiversidade - NUPAUB-Núcleo
de Pesquisas sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileiras—Universidade de São
Paulo.
Domingues, Mariana Soares; Bermann, Célio (2012). O arco de desflorestamento na Amazônia:
da pecuária à soja. Ambiente & sociedade. Campinas, 2012. vol.15, no.2, May/Aug/2012. http://
dx.doi.org/10.1590/S1414-753X2012000200002. (On-line version ISSN 1809-4422). Acessado
em 04/2014.
Foladori, Guilhermo; Tommasino, Humberto (2000). El concepto de desarrollo sustentable treinta
años después. Revista Desenvolvimento e meio ambiente, Curitiba, UFPR, jan/fev. 2000. n° 1.
p.41-56.
Funai (S.d). Pagina eletrônica da Fundação Nacional do Índio (S.d). In: http://www.funai.gov.br/.
Acessado em 08/2012.
Funai (2012). Ofício N.31/2012/Gab/CR Alto Purus/FUNAI/AC. Rio Branco: Coordenadoria Regional
do FUNAI/Alto Purus.
Geoheco (2003). Estudo sobre a qualidade ambiental do geoecossistema do Maciço da Tijuca: subsídios à
regulamentação da Aparu do Alto da Boa Vista. Rio de Janeiro: SMAC. CD-ROM.
Herrera, Ramon Vera (Edición) (2012). Economía verde - el asalto final a los bienes comunes. Mexico:
Alianza Biodiversidad; Movimiento Mundial por los Bosques Tropicales (WRM); Amigos
de la Tierra América Latina y El Caribe (ATALC). Disponível em: http://www.wrm.org.uy/
temas/ Economia_Verde/asalto_final_a_los_bienes_comunes.pdf Acessado em 04/2014.
Ibge – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2011). Geoestatísticas revelam patrimônio ambiental
da Amazônia Legal. Comunicação Social, 01/06/2011 http://www.ibge.gov.br/home/
presidência/notícias/noticia visualiza. Php.id_noticia= 1887&id_pagina. Acessado em
04/2014.
ISA – IMAZON – ICV (2009). Amazônia 2009 Áreas Protegidas y Territorios Indígenas - notas para o
mapa 3. In: http://raisg.socioambiental.org/ system/files/Amazonia_Brasileira.pdf Acessado
em 08/2012.
Magalhães, Éden (2002). 500 anos de resistência e luta pela vida. In: FEM - Fundação de Cultura e
Comunicação Elias Mansour. Povos do Acre: História Indígena da Amazônia Ocidental. Rio
Branco: FEM. p.6-10.
Miranda, Guilherme Marinho; Sant’anna, Fernanda Mello (2010). Corredores de desenvolvimento
e conservação no acre: as escalas de planejamento do global ao local. Actas del XI
Colóquio Internacional de Geocrítica, Buenos Aires, Universidad de Buenos Aires, 2 - 7 de mayo
de 2010.
Paula, Elder Andrade de, SILVA, Silvio Simione da (2008). Floresta, para que te quero? Da territorialização
camponesa a nova territorialidade do capital. Revista Nera/UNESP, Presidente
Prudente, Ano 11, nº. 12, pp. 86-97, Jan.-jun./2008.
Pineda Samanta (S.d.). As limitações ilegais do uso do entorno das unidades de conservação. Sd. http://ambienteduran.
eng.br/opiniao/limitacoes-ilegais-do-uso-do-entorno-das-unidades-de-conservacao. Acessado em 12/2014
Silva, S. S. da (2015). Formação socioambiental do estado do Acre. In: SIMONIAN, L. T. L.;
BAPTISTA, E. R. (Org.). Formação socioambiental da Amazônia. Belém: Editora do NAEA/
UFPA. 2015. p. 35-112, il. [Coleção Formação Regional da Amazônia, v. 3].
Sioli, Harald (1985). Amazônia: fundamentos da ecologia da maior região de florestas tropicais.
Petrópolis: Vozes, 1985.
SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação (2002). Lei 9985 de 18 de julho de 2000.
Brasília, Congresso Nacional e Decreto Nº 4.340 22/08/02; Presidência da República.
Souza, Moisés B. de et al (2003). A biodiversidade no estado do acre: conhecimento atual, conservação
e perspectivas. T&C Amazônia, Manaus, Ano 1, no 3, Dezembro, 2003.
Tocantins, Leandro (1979) Formação histórica do Acre. Rio de Janeiro. Editora Civilização Brasileira:
Rio de Janeiro.
Publicado
2018-04-26
Como citar
DA SILVA, Silvio Simione. Territórios de proteção ambiental na Amazônia: formação e uso do espaço em áreas de proteção, terras indígenas e áreas de entornos, no Estado do Acre, Brasil. Entorno Geográfico, [S.l.], n. 14, p. 32-56, abr. 2018. ISSN 2382-3518. Disponible en: <http://entornogeografico.univalle.edu.co/index.php/entornogeografico/article/view/6447>. Fecha de acceso: 24 mayo 2018 doi: https://doi.org/10.25100/eg.v0i14.6447.
Sección
Espacios y Territorios

Palabras clave

amazônia, ambiente, proteção, territorialização, capital