Análise de impactos ambientais na lavra de areia desativada na região administrativa de Santa Maria/df, sob a ótica da metodologia P.E.I.R

Resumen

O presente trabalho possui como objetivo geral analisar os impactos ambientais da lavra de areia desativada na Região Administrativa de Santa Maria/DF, sob a ótica do método PEIR – Pressão, Estado Impacto e Resposta. Trata-se de uma análise baseada na pressão exercida pela atividade local e que, consequentemente gera um impacto sobre o meio ambiente e exige medidas mitigadoras. Para a realização dessa pesquisa, utilizou-se, levantamento bibliográfico pesquisados em artigos/periódicos, relatórios técnicos, publicações de órgãos competentes, pertinente ao tema e visita in loco, sendo acompanhada de registros fotográficos, imagens de satélites obtidas a partir do software livre Google Earth Pro e mapas elaborados no software ArcGIS versão 10.3. Foi aplicado os critérios da metodologia P.E.I.R – Pressão, Estado, Impacto e Resposta -  para analisar os impactos ambientais presentes na região, assim como os atributos de respostas a esses impactos. Após a pesquisa foi possível concluir que, na lavra de areia na região administrativa em Santa Maria (DF), foram identificados impactos ambientais, com visível degradação, como: erosão, aparente descaso, abandono e sem atividades recuperativas do meio ambiente e de seus respectivos recursos naturais.

Autores/as

  • Ordália Dias da Silva Guilherme Masgister en Geografia de la Universidad Federal de Tocantins (UFT) y Doctoranda en Geografia de la Universidad de Brasilia. Brasilia, Brazil.
  • Marina Rique Cangiano Ingeniera Ambiental de la Universidad Católica de Brasilia (PUC-DF) y estudiante de maestria en Geociencias Aplicadas en la Universidad de Brasília. Brasilia, Brazil. https://orcid.org/0000-0002-2255-4106
  • Polyana Cristina Paro Magister en Ciencias Forestales en la Universidad de Brasilia. Gestión ejecutiva del registro forestal (GECAF) en el Servicio Forestal Brasileño. Brasilia, Brazil.
  • Ruth Elias De Paula Laranja Doctora en Geografia y profesora adjunta de la Universidad de Brasilia. Brasilia, Brazil.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Palabras clave

Citas

Agência Nacional de Mineração–ANM. (novembro de 2018). Sistema de Informações Geográficas da Mineração – SIGMINE. Coordenação de Geoprocessamento. Disponível em http://www.anm.gov.br/assuntos/ao-minerador/sigmine

Ariza, C., e Neto, M. (2010). Contribuições da Geografia para Avaliação de Impactos Ambientais em Áreas Urbanas, com o Emprego da Metodologia Pressão - Estado Impacto- Resposta (P.E.I.R.). Caminhos de Geografia, 11(35), 128-139.

Bueno, R. I. S (2010). Aproveitamento da areia gerada em obra de desassoreamento – Caso Rio Paraíba/SP (Dissertação de Mestrado em engenharia). São Paulo: EPUSP.

Carvalho, I. C. D. H. (2012). Implicações Socioambientais Decorrentes do Processo de Urbanização da Regional Administrativa de Santa Maria (DF) (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade de Brasília – UnB Brasília, DF.

CODEPLAN-Companhia de Planejamento do Distrito Federal. (novembro de 2018). Produto Interno Bruto do Distrito Federal 2016, publicado em novembro de 2018. Disponível em http://www.codeplan.df.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/PIB-DF_2016.pdf

Conselho Nacional do Meio Ambiente-CONAMA. (1986). Resolução CONAMA nº 1 de 23 de janeiro de 1986. Disponível em http://www2.mma.gov.br/port/conama/res/res86/res0186.html

DNPM, Departamento Nacional de Produção Mineral. (2017). Desempenho Mineral de Goiás e Distrito Federal do ano de 2016. Disponível em http://www.anm.gov.br/dnpm/publicacoes-economia-mineral/arquivos/desempenho-do-setor-mineral-em-go-e-df-2016/view

EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. (2006). Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (2 ed.). Rio de Janeiro: Embrapa Solos.

Luz, A. B., e Almeida, L. M. (26 de novembro de 2018). Operações de Lavra de Areia. Capítulo 10. Manual de Agregados para Construção Civil, 2ª Edição–CETEM. Disponível em http://mineralis.cetem.gov.br

Mma, Ministério do Meio Ambiente. (2001). Manual de normas e procedimentos para o licenciamento ambiental no setor de extração mineral. Brasília, DF.: Secretaria de qualidade ambiental nos assentamentos humanos – Programa de proteção e melhoria da qualidade ambiental, IBAMA.

Mma, Ministério do Meio Ambiente. (2018). Recuperação de Áreas Degradadas. Disponível em http://www.mma.gov.br/comunicacao/item/8705-recuperação-de-áreas-degradadas

Neri, A. C. (2007). Avaliação da Eficácia de Medidas de Recuperação Ambiental em Mineração de Calcário para Cimento (Dissertação Mestrado). Curso de Engenharia, Universidade de São Paulo, Brasil. Disponível em https://teses.usp.br/teses/disponiveis/3/3134/tde-22012008-115814/pt-br.php

PNUMA e Consórcio Parceria 21. (2004). Metodologia para a elaboração de Relatórios GEO Cidades: Manual de Aplicação: Versão2. Disponível em https://edisciplinas.usp.br

Sánchez, L. H. (2013). Avaliação de impacto ambiental: conceitos e métodos (2.ed. atualizada e ampliada). São Paulo: Ed. Oficina de textos.

Senado Federal. (2011). Código de Mineração e legislação correlata (Coleção Ambiental, volume II. 2.ed. Ed.). Brasília, DF.: Senado Federal, subsecretaria de edições técnicas.

Sepe, P. M. (2008). Indicadores GeoCidades: A experiência do Município de São Paulo: Brasil no Uso de Indicadores Ambientais na Administração Pública. São Carlos: II Workshop Internacional de Pesquisa em Indicadores de Sustentabilidade: WIPIS.

Silva, R. A. (2010). Avaliação de processos de licenciamento ambiental de jazida mineral de areia em Santa Maria, Distrito Federal (Dissertação de Mestrado em Engenharia Florestal). Departamento de Engenharia Florestal, Universidade de Brasília, Brasília, DF.

Smith, M. R., e Collis, L. (2001). Extraction in: agreggates-sand, gravel and crushed rock aggregates for construction purposes. Em M. R. Smith e L. Collis (Eds.), (pp. 73-105). London: Geological Society.

SNIC-Sindicato Nacional da Indústria de Cimento. (2017a). Consumo aparente por regiões e estados. Disponível em http://snic.org.br/assets/pdf/numeros/1537281333.pdf

SNIC-Sindicato Nacional da Indústria de Cimento. (2017b). Produção nacional de cimento por regiões e estados. Disponível em http://snic.org.br/assets/pdf/numeros/1537281236.pdf

Publicado
2020-04-20
| 144 |
Sección
Artículos (Espacios y Territorios)